Material de Apoio

 Sobre a Gramática
 Morfologia
 Sintaxe
 Fonologia
 Semântica
 Estilística
 Redação

Pratique

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Provas On-line

Ajuda

 Laifis de Português
 Área dos Professores
 Comunidade
 Fórum
 Dicas de Português
 Dúvidas Frequentes
 Qual é o Gênero?
 Conjugador de Verbos

Entretenimento

 Jogos
 Maltratando a Língua
 Fala Popular
 Expr. Redundantes
 Pérolas Gramaticais
 Qual é a Expressão?
 Trava-Línguas
 Humor na Língua

Diversos

 Portuguesinho
 Português na História
 Português no Mundo
 Formação da Líng. Port.
 Curiosidades
 Estrangeirismos
 Neologismos e Gírias
 Abreviaturas e Siglas
 Expressões Idiomáticas
 Origem das Expressões
 Reforma Ortográfica
 Glossário
 Notícias
 Artigos e Reportagens
 Indicação de Livros
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

Emprego do Hífen

O hífen é usado com vários fins em nossa ortografia, geralmente, sugerindo a ideia de união semântica. As regras de emprego do hífen são muitas, o que faz com que algumas dúvidas só possam ser solucionadas com o auxílio de um bom dicionário. Entretanto, é possível reduzir  a quantidade de dúvidas sobre o seu uso, ao observarmos algumas orientações básicas.

Conheça os casos de emprego do hífen (-):

    1) Na separação de sílabas.

    Exemplos:

      vo-vó;
      pás-sa-ro;
      U-ru-guai.

    2) Para ligar pronomes oblíquos átonos a verbos e à palavra "eis".

    Exemplos:

    deixa-o;
    obedecer-lhe;
    chamar-se-á (mesóclise);
    mostre-se-lhe (dois pronomes relacionados ao mesmo verbo);
    ei-lo.

    3) Em substantivos compostos, cujos elementos conservam sua autonomia fonética e acentuação própria, mas perdem sua significação individual para construir  uma unidade semântica, um conceito único.

    Exemplos:

    Amor-perfeito, arco-íris, conta-gotas, decreto-lei, guarda-chuva,
    médico-cirurgião, norte-americano, etc.

      Obs.: certos compostos, em relação aos quais se perdeu, em certa medida, a noção de composição, grafam-se sem hífen: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, etc.

    4) Em compostos nos quais o primeiro elemento é numeral.

    Exemplos:

    primeira-dama, primeiro-ministro, segundo-tenente, segunda-feira,
    quinta-feira, etc.

    5) Em compostos homogêneos (contendo dois adjetivos, dois verbos ou elementos repetidos).

    Exemplos:

    técnico-científico, luso-brasileiro; quebra-quebra, corre-corre, reco-reco, blá-blá-blá, etc.

    6) Nos topônimos compostos iniciados pelos adjetivos grã, grão, ou por forma verbal ou cujos elementos estejam ligados por artigos.

    Exemplos:

    Grã- Bretanha, Grão -Pará;
    Passa-Quatro, Quebra-Costas, Traga-Mouros, Trinca-Fortes;
    Albergaria-a-Velha, Baía de Todos-os-Santos, Entre-os-Rios,
    Montemor-o-Novo, Trás-os-Montes.

    Obs.: os outros topônimos compostos escrevem-se com os elementos separados, sem hífen: América do Sul, Belo Horizonte, Cabo Verde, etc. O topônimo Guiné-Bissau é, contudo, uma exceção consagrada pelo uso.

    7) Emprega-se o hífen nas palavras compostas que designam espécies botânicas e zoológicas, estejam ou não ligadas por preposição ou qualquer outro elemento.

    Exemplos:

    couve-flor, erva-doce, feijão-verde, erva-do-chá,
    ervilha-de-cheiro, bem-me-quer (planta),
    andorinha-grande, formiga-branca, cobra-d'água,
    lesma-de-conchinha, bem-te-vi, etc.

    Obs.: não se usa o hífen quando os compostos que designam espécies botânicas e zoológicas são empregados fora de seu sentido original. Observe a diferença de sentido: bico-de-papagaio (espécie de planta ornamental, com hífen) e bico de papagaio (deformação nas vértebras, sem hífen).

    8) Emprega-se o hífen nos compostos com os elementos além, aquém, recém e sem.

    Exemplos:

    além-mar, aquém-fontreiras, recém-nascido, sem-vergonha.

    9) Usa-se o hífen sempre que o prefixo terminar com a mesma letra com que se inicia a outra palavra.

    Exemplos:

    anti-inflacionário, inter-regional, sub-bibliotecário, tele-entrega, etc.

    10) Emprega-se hífen (e não travessão) entre elementos que formam não uma palavra, mas um encadeamento vocabular:

    Exemplos:

    A divisa Liberdade-Igualdade-Fraternidade;
    A ponte Rio-Niterói;
    A ligação Angola-Moçambique;
    A relação professor-aluno.

    11) Nas formações por sufixação será empregado o hífen nos vocábulos terminados por sufixos de origem tupi-guarani que representam formas adjetivas, tais como -açu, -guaçu e -mirim, se o primeiro elemento acabar em vogal acentuada graficamente, ou por tônica nasal.

    Exemplos:

    Andá-açu, capim-açu, sabiá-guaçu, arumã-mirim, cajá-mirim, etc.

    12) Usa-se hífen com o elemento mal antes de vogal, h ou l.

    Exemplos:

    mal-acabado, mal-estar, mal-humorado, mal-limpo.


    13) Nas locuções não se costuma empregar o hífen, salvo naquelas já consagradas pelo uso.

    Exemplos:

    café com leite, cão de guarda, dia a dia, fim de semana, ponto e vírgula, tomara que caia.

    Locuções consagradas:

    água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito,
    pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.


    Anterior  Índice Próximo

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

 

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato de Usuário | Anuncie | Fale conosco
Copyright © 2007-2014 Só Português. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.