Você está em Diversos > Artigos e reportagens

Linguagem Diferente

 

Qual o jovem que não passa horas na frente do computador? A internet ajuda a aproximar os amigos, facilita a paquera e a pesquisa escolar.

De tanto conversar, a moçada acabou criando uma linguagem própria para o computador. Um jeito, digamos, bem diferente de escrever, que já criou polêmica e motivou uma tese de mestrado.

Teclar e digitar são a mesma coisa para a maioria das pessoas. Para os jovens não. Nessa geração, trabalho de escola é digitado, conversa em site é teclada.

Como são diferentes, elas têm até linguagens próprias. Para os trabalhos, vale a boa e velha língua portuguesa. Já para o bate-papo, ganha cada vez mais espaço o "internetês", dialeto próprio da internet, baseado principalmente na velocidade.. Pra escrever mais rápido, as palavras perdem letras e acentos. Outras vezes, ganham a pronúncia por escrito.

"Pra tentar atingir a velocidade da fala, pra se comunicar mais fácil", disse um jovem. "Se você for certinho pra todas elas, aí você atrasa todas as conversas", disse Ana Carolina Pucharelli, de 16 anos.

O problema é que, às vezes, uma linguagem invade o espaço da outra. A professora de línguas Cássia Batista resolveu pesquisar o assunto quando encontrou um bilhete jogado na sala de aula.

Conversando com as autoras do bilhete, a professora percebeu que a mistura das línguas ia mais além. "Existe uma preocupação de que essa influência já esteja também passando pra fala. A questão do "beleza", que virou "belê", então isso é da internet."

A pesquisa virou uma tese de mestrado. "Nós não podemos fechar os olhos e dizer que está errado, que não vamos deixar entrar isso na escola. Já entrou, não adiante, não tem jeito. O meio eletrônico está pedindo esse tipo de linguagem. Existe, é fato."

No democrático mundo globalizado, também há internautas que são contra o internetês e que estão usando as armas da própria rede numa campanha em favor da língua portuguesa. A Júlia, de São Paulo, vai experimentar essa novidade. Ela entra no site criado lá no Rio de Janeiro pelo empresário Paulo Couto.

Nas conversas, o programa traduz automaticamente o internetês.

Para o empresário, muitas vezes, o internetês dificulta a comunicação. "É um grande dicionário, onde eu pego palavras que são conhecidas no internetês e aplico uma correção para o português, formal nosso", disse Paulo Couto.

Às vezes, precisa mesmo de tradução. Exemplo: blz quer dizer beleza, fmz significa firmeza. Os próprios jovens acham que tem que tomar cuidado com o uso do internetês. Proibir é pura perda de tempo. O melhor é tentar manter o bom senso. "Toda linguagem sofre transformações. Isso é inevitável. Nós já tivemos várias influências. Antigamente, vós mercê, depois, você e agora cê. Vai saber o que daqui a pouco vir. A influência é inevitável", disse a professora Soraia Carvalho.

"Linguagem de internet na internet e em escola outra linguagem, do português certo mesmo", disse um aluno.

02/11/2005

Fonte: Jornal Hoje - www.globo.com