Você está em Diversos > Artigos e reportagens

Por que a vaca foi para o brejo?

Caroline Ropero

Quando alguém diz que a vaca foi para o brejo significa que algo deu errado, bem errado! A expressão surgiu da situação real em que ela se aproxima do brejo (terreno úmido com lama, fácil de afundar) enquanto procura capim fresco. Por ser animal pesado, começa a afundar as pernas no lodo e, conforme tenta se mover, a situação piora, até ficar atolada. Para sair, é preciso ajuda de várias pessoas, que erguem a vaca com estacas e a puxam para fora com cordas ou até trator.

O bicho também não escapa de outras expressões como ‘nem que a vaca tussa', para dizer que uma situação é impossível de acontecer, já que esse bicho não tosse. E o que dizer de ‘mão de vaca'? Indica quem odeia gastar dinheiro, por isso não abre a mão; a comparação refere-se ao fato de a pata da vaca ter formato de mão fechada. E ainda tem ‘fazer uma vaquinha'.

Expressões como essas são populares no dia a dia. É difícil identificar quando e quem as inventou, mas sempre têm explicação. Algumas são usadas no sentido literal e mudaram de significado com o tempo. Hoje ‘tirar o cavalinho da chuva, por exemplo, significa desinteresse, sem possibilidade de conseguir algo. Mas, antigamente, não era isso. Como o visitante chegava a cavalo, se começasse a chover, o anfitrião deveria ser educado e tirar o bicho da chuva para evitar que a visita tivesse de montar um animal molhado na volta para casa.

A maioria usa bichos para explicar o comportamento humano. Surgem de lendas ou da cultura local. Mas o que importa é que todas ajudam a compreender melhor a atitude de alguém. Muitas servem para criticar, como ‘ovelha negra' que identifica a pessoa cuja conduta inadequada destoa da sua família ou grupo a qual pertence, da mesma forma que uma ovelha negra de destaca no meio do rebanho branquinho.

Saiba mais

"Fazer vaquinha" é juntar dinheiro em grupo para comprar algo. A expressão surgiu em 1993, quando torcedores do Vasco da Gama arrecadaram grana pra premiar o time pelo desempenho. O valor foi inspirado no jogo do bicho, e a vaca valia mais.

"Vaquinha de presépio" é quem não dá opinião, apenas ocupa espaço, ou serve para atender ao interesse de outra pessoa. A expressão refere-se ao presépio montado no Natal para representar o nascimento de Jesus. A vaca só faz parte do cenário, sem ter importância.

"Olha o passarinho" é do fim do século 19, quando surgiu a máquina fotográfica. Na época, a imagem demorava para se fixar no filme e a pessoa tinha de ficar parada por mais tempo na frente da câmera. O fotógrafo colocava a ave acima da máquina pra chamar atenção.

"Deu zebra" indica que algo deu errado ou não saiu como o previsto. Veio do jogo do bicho. Como o animal não está entre os 25 que fazem parte da aposta, é impossível dar zebra. A expressão começou a ser usada no futebol quando o jogo tinha resultado improvável.

"Pagar mico" é passar vergonha, dar vexame. A expressão veio do jogo Mico Preto, em que cada carta do baralho corresponde a um bicho, com macho e fêmea, sendo que só o mico não tem par. O perdedor é o que fica com essa carta na mão.

"Bafo de onça" é característica de quem tem hálito fedido. Pode ser por não escovar os dentes, consumir bebida alcoólica ou ter problemas no estômago. Como a onça se lambuza muito na hora de devorar a presa, fica cheirando mal.

14/08/2011

Fonte: Diário do Grande ABC