Décima Quarta Lição

Para uma melhor memorização, associe imagens ao que você deseja memorizar.

Explicação

Nossa memória trabalha com o que os especialistas chamam de imagens mentais, as quais são condensadas pelo nosso cérebro. Sabe-se que a mente humana grava com maior facilidade as situações que fogem dos chamados padrões normais. Consideremos como padrões normais, as imagens que podem ser rotineiras em nosso dia a dia, ou aquelas que podem ser reais no nosso cotidiano.

Por exemplo: Se você estiver caminhando na rua, e vir um cachorro, esta cena poderá ser tão habitual a ponto de você sequer lembrar que viu aquele animal ao final do dia. Entretanto, se no lugar de um doce cachorrinho, você topar com um cão enorme, do tamanho de um elefante, que mais pareça um robusto leão, daqueles que por mais que estejam encoleirados e acompanhados pelo dono, você atravessa a rua só pra não passar na sua frente, com certeza no final do dia você vai se lembrar muito mais facilmente dessa cena. Criar imagens inusitadas, associando-as a objetos, palavras ou cenas que precisam ser memorizadas, são técnicas que ativam a sua memória. Assim, podemos perceber que nossa mente memoriza muito mais facilmente as imagens do que as inúmeras informações que recebemos diariamente.

Vamos tentar memorizar, por exemplo, os órgãos do sistema respiratório humano, o caminho que segue o ar na inspiração: fossas nasais, faringe, laringe, traqueia, brônquios, bronquíolos e alvéolos pulmonares. Esta pequena lista poderia ser memorizada da seguinte forma: Imagine o ar como um ser monstruoso de duas cabeças, imagine mesmo, dando corpo a ele, cabeça, olhos, uma camiseta escrita "Eu sou o ar". Imagine esse ser entrando por uma grande caverna, na qual tenha uma placa dizendo: FOSSA. Imagine esta caverna no formato do seu nariz. O ser entra pela caverna (que é o seu nariz), aí a FOSSA acaba em um grande escorregador e o monstrinho desce gritando: FARINGE, FARINGE. De repente, ele faz uma pausa e decide chupar uma laranja (associe a palavra laranja à LARINGE). Enquanto ele chupa a laranja, vai fazendo um barulho, trac, trac, trac, assim você lembrará da TRAQUEIA. Então, o barulho deixa o ser monstruoso irritado, muito irritado, bronqueado e nosso amigo chega aos BRÔNQUIOS. Note que o início de uma palavra remete à outra. A irritação o deixa de cabeça quente, ou seja, com bronca nos miolos, chegamos aos BRONQUÍOLOS. De repente, em frente de nosso amigo ar aparece um monstro alvo em forma de pulmão, é o ALVÉOLO PULMONAR.

Se você realmente imaginar as cenas, conseguirá memorizar os órgãos da respiração por meio de algumas palavras. Você recordará por associação, caverna lembrará FOSSA, ou seja, fossas nasais. No escorregador, lembre-se do grito FARINGE, faringe. LARANJA associe à laringe. O barulho TRAC TRAC será associado à traqueia. Ficar BRONQUIADO, aos brônquios e bronquíolos. ALVO PULMÃO, alvéolo pulmonar.

Assim, para memorizar objetos ou palavras, crie associações aparentemente absurdas que possam se destacar em sua mente. Esta técnica é conhecida normalmente pelo nome de encadeamento.

Exercício

Para exercitar, elabore você mesmo uma lista de objetos ou de palavras importantíssimas ao aprendizado de determinada matéria, como a dos órgãos da respiração. Busque associações para memorizar esta lista, as imagens devem ser realmente criadas em sua mente para que você possa memorizá-las.

  Índice  

Como referenciar: "Curso de Técnicas de Memorização - Décima Quarta Lição" em Só Português. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2019. Consultado em 21/05/2019 às 11:50. Disponível na Internet em https://www.soportugues.com.br/secoes/dicas/cursoLeitura/cursoLeitura15.php