Catacrese

Trata-se de uma metáfora que, dado seu uso contínuo, cristalizou-se. A catacrese costuma ocorrer quando, por falta de um termo específico para designar um conceito, toma-se outro "emprestado".

Assim, passamos a empregar algumas palavras fora de seu sentido original. Exemplos:

"asa da xícara"
"maçã do rosto"
"braço da cadeira"
"batata da perna"
"da mesa"
"coroa do abacaxi"

Perífrase

Trata-se de uma expressão que designa um ser através de alguma de suas características ou atributos, ou de um fato que o celebrizou. Veja o exemplo:

A Cidade Maravilhosa (= Rio de Janeiro) continua atraindo visitantes do mundo todo.

Obs.: quando a perífrase indica uma pessoa, recebe o nome de antonomásia.

Exemplos:

O Divino Mestre (= Jesus Cristo) passou a vida praticando o bem.
O Poeta dos Escravos (= Castro Alves) morreu muito jovem.
O Poeta da Vila (= Noel Rosa) compôs lindas canções.

Sinestesia

Consiste em mesclar, numa mesma expressão, as sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido.

Exemplos:

Um grito áspero revelava tudo o que sentia. (grito = auditivo; áspero = tátil)

No silêncio negro do seu quarto, aguardava os acontecimentos. (silêncio = auditivo; negro = visual)

Como referenciar: "Catacrese, Perífrase e Sinestesia" em Só Português. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2018. Consultado em 20/08/2018 às 12:27. Disponível na Internet em https://www.soportugues.com.br/secoes/estil/estil4.php